Jogos online ensinam crianças a lidar com dinheiro

Pais devem observar se jogos são compatíveis com a faixa etária da criança

O valor do dinheiro e a importância de economizá-lo são lições que podem ser dadas às crianças desde cedo. E os jogos eletrônicos podem ser ótimos aliados nesta tarefa. Segundo Ana Paula Hornos, especialista em Finanças pela Fundação Getúlio Vargas e autora do livro infanto-juvenil “Crise Financeira na Floresta” (Scortecci, 2013), aos dois ou três anos os pequenos já estão prontos para os primeiros conceitos de educação financeira.

“Com os jogos as crianças aprendem a economizar de forma lúdica. Elas aprendem, por exemplo, o valor do dinheiro dentro do jogo e, com o tempo, passam a associar esse conhecimento com o dia a dia”, explica Ana.

Os jogos devem ser compatíveis com a faixa etária da criança. “E é interessante que os pais procurem fazer, sempre, uma comparação com a vida real, motivando a criança a cuidar do dinheiro de verdade da mesma maneira que fazer com o dinheiro de verdade o mesmo que é feito no jogo”, ensina a especialista. Veja algumas opções de jogos que você encontra, de graça, na internet:

Quebrando o cofrinho - que tal um jogo em que crianças de 2 a 4 anos aprendem a engordar o cofrinho? Essa é a missão principal desse jogo: recolher o máximo possível de moedas para colocar dentro do porquinho.

 

 

 

Bankids – com a ajuda dos pais, crianças de até 12 anos podem abrir uma conta em um banco virtual e aprender muito sobre rendimentos, investimentos, tributos, etc. Ao participar das atividades propostas pelo site, a criança ganha “patakos”, a moeda oficial do banco de brincadeira.

 

 

Vamos Poupar - para crianças de 6 a 10 anos, esse joguinho envolve cálculos de valores. Além de aprender a poupar, a criança fica craque em matemática.

 

 

 

Bate Bola Financeiro - feito para crianças a partir de 11 anos de idade e adolescentes até os 18, traz a inusitada e divertida proposta de associar educação financeira e partida de futebol.

 

 

 

GOUMI – nesse game educativo que simula situações da vida real, a criança tem o controle sobre sua vida e seu dinheiro. Ao longo do jogo, pode “enriquecer” e tornar-se dona de diversas companhias de sucesso ou perder tudo, dependendo de suas escolhas.  O jogo nasceu como parte de um projeto piloto de educação financeira para a rede municipal de ensino de Uberlândia (MG), para estudantes entre oito e 12 anos.

 

Tags: consumo educação financeira família filhos orçamento

Veja mais